quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Siem Reap/Angkor – Dicas




[Aviso: pausa nos fotoblogs.Dessa vez, o texto vem primeiro, depois, aos poucos, vou colocando fotos.]

1) Sobre a cidade

Siem Reap serve de base para se conhecer o Parque Arqueológico de Angkor que engloba uma série de templos, não somente Angkor Wat. Esse mapa dá uma idéia de como o Parque Arqueológico é grande.

Não se iluda. Siem Reap  é uma cidade feita para turistas e tem tudo de bom e de ruim que uma cidade do tipo oferece. Se você quer conhecer  “o verdadeiro Camboja”, esqueça.  Como disse acima, Siem Reap serve de base para conhecer Angkor. Não espere muito mais.

Vale a pena visitar Angkor?  Depende do que você gosta. Pra mim, valeu. Vi templos até quase enjoar, curti os mercados, conversei com gente de vários lugares e experimentei uma culinária diferente. Foi ótimo! Não decida o seu destino pelo que os outros dizem dele. É preciso saber, antes, se o destino interessa a você.

2) Cuidados com a Saúde

Comi em lugares simples – todos indicados pelo guia - e no ótimo Bopha (indicado pela @sylviatravel e pela DaniS) e não passei mal. Não comi comida das barraquinhas de rua e só tomei água mineral.

Não venha para cá sem seguro saúde. Você pode se machucar conhecendo os templos – alguns têm escadas traiçoeiras – ou, mais comum, você pode passar mal com alguma comida.

Tomei  remédio para malária e usei repelente, mas vi poucos mosquitos. Na época de chuvas há mais mosquitos.

Você vai beber água como nunca na vida. O hotel que fiquei sempre deixava duas garrafas de água no quarto de cortesia. Carregue/compre sempre muita água.

3) Roupas

Como sou branquela e nunca me queimo – o máximo que consigo é ficar rosada – optei por usar camisa de manga comprida (daquele tecido fininho - tipo fralda de pano) que comprei aqui mesmo, e calça comprida. Precisa? Não, mas para mim funcionou.

Você vai sentir falta, também ,de um bom chapéu/boné de preferência de aba larga e cordinha no pescoço (para não voar).

Suja-se muita roupa aqui, seja pelo suor, seja pela poeira das estradas. Na pior das hipóteses, você precisará comprar uma blusa que não sairá por mais de US$ 4. Na dúvida, a Mirella tem uma boa dica de lavanderia a quilo (e outras, passe lá!).

Atenção: em Angkor Wat os guardas não deixam entrar com shorts curtos.

4) Sapatos

Usei um calçado tipo "Teva " (foto , não lembro o nome no Brasil!) e acho que não foi a melhor opção. Há um bocado de areia nos templos. Talvez um tênis com velcro funcionasse melhor.

Nada de salto alto. Eu vi mais de uma mulher usando, pena que não deu para fotografar !

5) Calor

É como o do verão no Rio ou, melhor, como o de Manaus: quente e úmido. Dei sorte e peguei temperaturas consideradas amenas para a época, 37C. Dá para agüentar bem, mas cansa.

Entre 13h e 16h o calor é terrível. O melhor  é ficar no ar condicionado do quarto organizando fotos –ou o blog. Se seu hotel tiver uma piscina legal, com partes com sombra, aproveite.

Deixe para sair de manhã cedo – dizem que o nascer do sol em Angkor é lindo e menos muvucado que o pôr do sol – e só volte para a rua de tardinha.  Os templos abrem às 7h30 e fecham às 17h30. Veja o nascer do sol em Angkor Wat que abre às 4h30. Falarei sobre o pôr do sol no item 12.

Meninas, não conheço maquiagem adequada para ser usada com filtro solar 60 e repelente. Fiquei no rímel incolor e batom claro.

6) Passeios

O Ricardo Freire acabou de fazer um post maravilhoso sobre comprar passeios com antecedência ou não.
Reservei antecipadamente os meus passeios. Peguei a dica lá no blog da Mirella e valeu a pena. Entretanto, é facílimo reservar passeios aqui mesmo, oferta é o que não falta!.

Pelo amor de Buda Iluminado, não vá visitar os templos de bicicleta! Ninguém, por mais duro que esteja, merece pedalar de Siem Reap até Angkor com o sol na moleira! São só 7 km, mas debaixo de um calor! Sem falar no trânsito. (Se ainda assim você quiser se aventurar, parabéns! O aluguel custa US$ 2.)

7) Quando vir

O melhor período é de novembro a fevereiro, quando faz menos calor e não chove.

Para tentar fugir das hordas de turistas asiáticos que invadem a cidade – como nós fazemos com Buenos Aires – procure  não vir de sexta à domingo, nem nos principais feriados, como Ano Novo Chinês.

8) Quanto tempo ficar?

Eu fiquei três dias inteiros e achei ótimo. Tudo depende do seu interesse, por exemplo, preferi não visitar os povoados flutuantes.

9) Compras

Não é um quesito em que possa opinar muito, pois compro pouco. Nos mercados, negocie os preços. Nada é caro e me pareceu ainda mais barato que em Bangkok.

Visitei uma escola que atende a órfãos – há várias – e onde eles fazem trabalhos em couro. Nesses lugares não é educado barganhar o preço.  Pague o valor indicado e, se possível, deixe alguma doação.

A Escola de Artesãos de Angkor (no mapa consta como “Artisans Angkor”, mas me falaram outro nome que  não lembro agora!) foi melhor do que eu esperava. Há uma rápida visita ao trabalho que eles fazem, com uma passagem pelas oficinas e, como esperado, há uma loja que vende os produtos dos alunos. Tudo é lindo! O preço é  mais caro do que no mercado, mas a qualidade é melhor. Os produtos maiores são despachados para todo mundo. O preço do frete já está incluindo no preço.

10) Dinheiro

Dólar. Não troque por riel (moeda local). O dólar vale bem mais e o troco é dado em dólar mesmo e, às vezes, parte dele em riel.

Não valeu a pena pagar conta com o VTM aqui. A conversão para o dólar foi ruim.

11) É seguro viajar pra cá sozinha?

Sim! Como disse no twitter, se você estiver  a pé, deve ter cuidado com as baratas que são cascudonas e só morrem com uma chinelada extra forte. [Tudo bem, eu devo ser a única pessoa a andar a pé pela cidade à noite por mais de 10 min. Todo mundo anda de tuk-tuk!]

 Entretanto, não saí de madrugada pela cidade. O máximo que agüentei ficar na rua foi até às 22h30, mas acredito que seja ok tomando-se as precauções que tomaríamos no Brasil. Sobre viagens solo, veja o Viaje na Viagem

12) Muito importante: Pôr do sol em Angkor

A @sylviatravel já tinha me avisado,então, fiz um bilhetinho em post-it amarelo e coloquei no meu Moleskine: “Não subir morro para ver o pôr do sol”. Adiantou? Não! Dei a maior bobeira e, conversa vai, conversa vem, lá estava eu subindo morro... Quando me dei conta, já era! A entrada para todos os templos, exceto Bakheng  (o tal morro), fecha às 17h30.

Então, repita o mantra, “Não subir o morro”, "Não subir o morro” ad nauseum.  Parece que o melhor lugar para ver o pôr-do-sol é de Angkor Wat mesmo ou da porta sul de Angkor Thom. Na volta, dei uma checada na rua, e os passeios avulsos que achei, te levam para o desgraçado do morro.

Um último lembrete: tenha paciência. Com os outros, mas, principalmente, com você mesma. A gente erra, faz bobagem, exatamente como a que aconteceu comigo no pôr-do-sol.. Se elas forem muito frequentes, faça um check-up na volta para casa!

13 comentários:

  1. Ótimos posts. Estou lendo todos para tomar coragem.
    Como você vai para Cingapura depois ái vai o link de minha viagem no ano passado.
    http://www.viajarpelomundo.com/2010/09/cingapura-uma-caixinha-de-surpresas.html
    Aproveite muito!
    Bj
    Claudia

    ResponderExcluir
  2. Oi, Lu!
    Tenho muita vontade de conhecer Angkor, mas não vou praí sozinha, não! Como você pode classificar como seguro um lugar povoado por "baratas que são cascudonas e só morrem com uma chinelada extra forte"??!! Pra mim, não há perigo maior nessa vida, moooorro de medo!! rsrsrsr
    Continue nos mostrando tudo!

    ResponderExcluir
  3. Espetacular Lu! Estou pirando no teu giro pela Ásia!!! Beijo!!

    ResponderExcluir
  4. Oi, Lu. Estamos aqui nos preparando para nossa volta ao mundo, com foco na Ásia! Iremos para Siem Reap, e suas dicas foram ótimas!!
    Bjs e uma ótima viagem
    Antonio & Ellen
    www.viagemafora.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. O por-do-sol é mesmo uma coisa de doido, né? Você e todos os turistas do mundo vão para o mesmo lugar... povo bebendo cerveja, fumando, berrando... odiei também eheheh
    Eu acabei não tomando remedio contra a malaria, meu medico de viagem disse que não precisaria se eu não fosse acampar e coisas do tipo, então só usamos um bom repelente que parecia cola eheheh..
    OTIMA DICA sobre as bicicletas... pela mor... ninguem merece ficar andando de bicicleta por lá. Pega um tuk tuk e beleza!
    Nós fizemos o passeio no rio e sinceramente não gostei, achei fake... os cambojanos odeia o povo do Vietnan que mora lá, é muito esquisito. Acho que por isso até perdi minhas fotos ahahah
    bjs

    ResponderExcluir
  6. Queridos,
    Muito obrigada pelos comentários. Foi uma delícia lê-los ao longo da viagem e só lamento não tê-los respondido assim que os li! A correria foi tanta!
    Claudia,
    Eu li sobre Cingapura no seu blog antes da viagem! Obrigada

    Wanessa,
    Esqueça as baratas e vá ao Camboja. É lindo demais!

    Tiago,
    Menino, e a tua viagem por Dubai, hein? Ainda não li como devia, mais tá na lista!

    Elle&Antonio,
    Aproveitem MUITO a viagem. Vou acompanhar também pelo twitter!

    Mi,
    Você acredita que, logo depois que cheguei, LI uma viagem de turismo recomendando que se alugasse as bicicletas! Quase morri!

    Bjs para todos,

    ResponderExcluir
  7. Muito boa as suas dicas, obrigado

    ResponderExcluir
  8. Recife,
    Muito obrigada por todos os seus comentários!
    Abs,

    ResponderExcluir
  9. Fantasticas suas dicas! Parabéns. Estou de viagem marcada para abril próximo para a Asia e Angkor está na minha lista. Só faltou (ou não li) comentários sobre como tirar visto e a passagem pela imigração e alfandega.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luiz,
      Obrigada pelo comentário! E, nossa!, acho que esqueci de falar mesmo do visto! Não se preocupe, você tira o visto na hora, ao chegar, basta pagar uma taxa. Se não me engano, paguei US$20 (para uma entrada no país) e foi preciso apresentar uma foto 3x4. Leve dinheiro trocado, de preferência nota de US$ nova.
      Boa viagem, um abraço,

      Excluir
  10. Lu, estou indo sexta-feira pra o sudeste asiatico gostaria de saber na sua opiniao o melhor por do sol de Siem Reap? ja que phan bakheng eh meio tumutuado, qual seria o melhor local para curtir o sunset? bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Doug & Bela,
      O que me falaram é que o melhor lugar para se ver o pôr do sol é em Angkor Wat mesmo ou no portão sul de Angkor Thom (está no texto do post). Descobri um site que sugere, também, ver o pôr do sol de Beng Thom Temple, veja detalhes em http://johnnyvagabond.com/travel-tips/sunset-crowded-angkor-wat/
      Eu, particularmente, acho o complexo de Angkor incrível e não enfrentaria nenhuma muvuca só para ver o pôr do sol!
      Deixem muito claro para o guia que vocês NÃO querem ver o pôr do sol de Bakheng, do contrário ele levará vocês para lá.
      Enfim, sugiro que vocês não façam do pôr do sol o "momento especial da visita", assim, não haverá risco de decepção.
      Que vocês façam uma linda viagem! Aproveitem!

      Excluir
  11. Olá !
    Eu também estava em Siem Reap e posso recomendar o Centro Wayism lá se você estiver interessado em espiritualidade, saber mais sobre a religião na Camboja, a filosofia da Wayism etc.
    Há também um curso diário de curta duração gratuito sobre a espiritualidade da Camboja e muitas outras actividades, tais como diferentes tipos de meditação , pintura de seda e seminários sobre energia , chakras etc. Eu aprendi muito lá. O que também a mim gosta é que seus ensinamentos sao do sânscrito que já têm milhares de anos e não algo que é talvez recentemente inventada... Aqui o link: www.wayist.com
    Os desejo uma boa viagem! :)

    ResponderExcluir